08/04/2018

Coren-MA inicia abril com fiscalizações ostensivas na Baixada Maranhense

Um relatório será encaminhado ao promotor Frederico Bianchinni e a Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Saúde (PRODESUS)

O secretário do Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (Coren-MA), Jamson Oliveira, a enfermeira fiscal Djayna Nunes e o técnico em enfermagem e representante de Pinheiro, Louredir Lobato fiscalizaram, nessa sexta-feira (06) e sábado (07), seis unidades hospitalares da Baixada Maranhense, pelo programa “Coren na Estrada”.

A fiscalização iniciou no Hospital Regional Dr. Jackson Lago, em Pinheiro. Segundo o secretário Jamson Oliveira, a visita foi motivada após a entidade receber denúncias de profissionais de enfermagem atuando sem habilitação. “Além disso, fomos averiguar in loco também outras denúncias, como a falta de repouso adequado para os profissionais de saúde e inexistência de enfermeiros na instituição”. Também foi denunciado a prática do auxílio de profissionais em procedimento cirúrgico. Uma atividade proibida para a classe de enfermagem, de acordo com a Resolução do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) nº 280/2003.

Em seguida, a equipe visitou o Hospital Sebastiana Fonseca Costa, em Apicum-Açu, devido a denúncia sobre inexistência de médicos e enfermeiros na instituição. Também constava na denúncia, a quantidade insuficiente de técnicos de enfermagem, e profissionais técnicos realizando suturas e partos, em virtude da falta de médicos.

Da esquerda para direita: Louredir Lobato, representante de Pinheiro, enfermeira fiscal Djayna Nunes e o secretário do Coren-MA, Jamson Oliveira

Foram fiscalizados também o Hospital Municipal Nerides Rodrigues, em Serrano do Maranhão; Hospital Bibi Montelo, em Bacuri; Hospital Municipal Nossa Senhora da Vitória, em Mirinzal e a Santa Casa de Misericórdia, em Cururupu.

Um relatório será encaminhado ao promotor Frederico Bianchinni Joviano dos Santos, responsável pela 1ª Promotoria de Justiça de Pinheiro e também para a Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Saúde (PRODESUS), do Ministério Público do Maranhão. Referente a quantidade insuficiente de médicos, será solicitada providência ao Conselho Regional de Medicina do Maranhão (CRM-MA). E também, aberto um Processo Administrativo junto ao Coren-MA.